Pecuária: aumentar produtividade é o maior desafio

10/06/2014

A pecuária se consolidou na Amazônia como atividade econômica relevante, a ponto de ter sido decisiva para que o Brasil alcançasse a liderança mundial na exportação de carne bovina em 2004. Porém, uma das principais características do setor na região é a baixa produtividade – ou seja, a presença de poucas cabeças por hectare. A taxa média regional é de 1,4 cabeça por hectare, mas poderia chegar a até sete cabeças por hectare, segundo a Embrapa.

Um estudo da entidade não-governamental Imazon, publicado em 2012, constatou que, entre 2007 e 2010, o valor da produção dessa atividade na Amazônia voltou a crescer enquanto a taxa de desmatamento caiu. O estudo concluiu que essa dissociação se deveu a fatores cíclicos, como aumento no preço da carne, e a investimentos feitos nos pastos em anos anteriores, o que proporcionou aumento da produtividade.

Poder público tem papel crucial

Os autores desse estudo postulam que seria possível aumentar a produção de carne na região em R$ 4,16 bilhões até 2022 – um aumento de 16% no valor total da produção agropecuária em relação a 2010 – sem promover novos desmatamentos. Essa produção adicional empregaria aproximadamente 39 mil pessoas nas fazendas situadas na Amazônia, segundo o Imazon.

Para isso, seria necessário investir R$1 bilhão por ano no aumento da produtividade dos pastos, valor que, segundo os autores, equivale a 70% do crédito rural anual médio concedido para pecuaristas na Amazônia entre 2005 e 2009. A taxa de retorno do investimento seria de 20%, percentual compatível com as taxas de juros disponíveis para o crédito rural, segundo cálculo do estudo.

Além desses investimentos, seria necessária a adoção de uma série de medidas visando impedir a grilagem e a especulação com terras públicas, incluindo sua destinação para fins como conservação e uso sustentável dos recursos naturais; a utilização de pastos de baixa produtividade (pastos sujos); a aplicação das leis ambientais e implantação de medidas de apoio a pequenos produtores para a regularização de suas terras. A melhoria da qualidade da infraestrutura também é descrita como um fator relevante para melhorar a produção na região.