O “arco do desmatamento” na Amazônia

10/06/2014

A gradual transformação da paisagem amazônica, ocasionada pelo avanço da fronteira econômica, produziu uma extensa mancha com cobertura florestal em franco declínio em forma de arco, facilmente visualizável em imagens de satélite. No final dos anos 1990, essa área – foco prioritário das políticas de combate ao desmatamento – passou a ser identificada como o “arco do desmatamento”.

Sua configuração espacial abrange o oeste e noroeste do Maranhão; o leste, sul e parte do oeste do Pará; o oeste e norte do Tocantins; o leste, centro-oeste e norte do Mato Grosso, todo o estado de Rondônia e do Acre e o sul do Amazonas. Nessa área foi concentrada a maior parte das políticas de desenvolvimento e de ocupação do território adotadas pelos militares, impulsionando a expansão gradual da fronteira agropecuária na esteira das grandes rodovias abertas a partir dos anos 1960.

Atualmente, esse arco corresponde ao território de 256 municípios onde a expansão do corte de florestas tem sido observada de forma mais intensa. É nessa área que se concentra aproximadamente 75% do desmatamento bruto de toda a Amazônia brasileira. É também chamado de “arco do povoamento adensado” por alguns autores, uma vez que a conotação do nome pelo qual ficou mais conhecido é evidentemente negativa.