Pecuária sustentável na Amazônia esbarra em custos e crédito

18/04/2017

A falta de crédito e de interesse do varejo por produtos sustentáveis pode limitar o escopo de um projeto ambiental inédito no país a no máximo 20% das propriedades rurais da Amazônia. O motivo? É caro demais implementar boas práticas associadas à elevação da produtividade animal sem contrapartidas de mercado. Sem elas, somente fazendas com área acima de 400 hectares teriam fôlego financeiro para mudar sua forma de produção sem destruir a floresta.

Esse é o principal alerta do estudo "Custos, benefícios e desafios da intensificação sustentável da pecuária", publicado pela ONG The Nature Conservancy (TNC) como um diagnóstico da viabilidade econômica dos primeiros anos do projeto "Do Campo à Mesa". Lançado em 2009, em parceria com o Marfrig e a rede varejista Walmart, o projeto visa diminuir os impactos da pecuária no ambiente através da adoção de boas práticas agropecuárias e bem-estar animal.

Em questão estão 13 propriedades rurais em São Félix do Xingu, no Pará, considerado no passado um dos principais focos de desmatamento na Amazônia. Com 8,4 milhões de hectares, São Félix tem também um dos maiores rebanhos bovinos por município - 2,2 milhões de cabeças. As fazendas estudadas somam 40 mil hectares (metade é pasto) e 33 mil bois.

Sete anos após sua implementação, duas constatações são extraídas dessa experiência, diz o estudo. A primeira é que o resultado é bom. Com o projeto, nenhuma das propriedades efetuou qualquer desmatamento. A melhora na genética animal, a manutenção e o manejo do pasto contribuíram para, em alguns casos, mais que dobrar a produtividade - ou seja, o número de animais no pasto. Da média histórica de 1,2 boi por hectare na Amazônia, os pecuaristas do projeto foram a três ou quatro animais. Ao mesmo tempo, as pastagens estão gradativamente sendo reformadas, e as áreas de preservação permanentes isoladas, como as margens dos cursos de água. Tudo isso garante benefícios ambientais, qualidade da produção e conformidade com a lei.

Valor Econômico | BR | Agronegócios | Página b12

Leia a notícia completa aqui.

Veja o clipping completo