ONG estima que desmatamento em floresta na Amazônia vai dobrar até 2030

14/07/2017

Ao propor o projeto de lei que reduz a proteção da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim e transforma 27% de sua área em Área de Proteção Ambiental (APA), o governo federal alegou que a mudança vai conter o desmatamento, ao permitir a regularização fundiária de quem está ocupando ilegalmente a região.

Cálculo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) estima, porém, que o desmatamento na região pode mais que dobrar até 2030. A organização considera que uma vez que a APA é a categoria menos restritiva, permitindo praticamente qualquer tipo de ocupação, e considerando o ritmo do desmatamento dos últimos anos, que já levou a uma perda de 113.737 hectares na área da floresta nacional, até 2030 pode ocorrer um corte extra de 138.549 hectares. E a emissão de 67 milhões de toneladas de CO2 (gás carbônico).

"A APA é muito mais frouxa para proteção do que a Flona, que já não estava contendo o desmatamento. Dada a dinâmica que está instalada na região, com sinais do governo de que pode avançar sobre a floresta que depois haverá regularização, não é a APA que vai segurar", diz Paulo Moutinho, pesquisador do Ipam.

Estadão.com.br - Últimas notícias | BR | Sustentabilidade

Leia a notícia completa aqui.
 

Veja o clipping completo